jejum intermitente

Antes de fazer jejum intermitente: leia isto!

O que você vai saber aqui:

  • O que é jejum intermitente
  • Quem pode fazer jejum intermitente
  • Quem deve evitar jejum intermitente
  • Dicas de jejum intermitente

Saiba quem pode fazer o jejum intermitente, quem deve evitar e dicas infalíveis para um jejum com segurança

De tempos em tempos, novas dietas da moda surgem, e o jejum intermitente já foi considerado uma delas. Virou febre no mundo fitness, ganhou espaço na rotina de diversas influencers do meio digital e dividiu opiniões de especialistas.

Na contramão daquela tradicional corrente que defende uma alimentação fracionada em refeições de três em três horas, o jejum intermitente vem para afirmar justamente o oposto. Nesse tipo de plano alimentar, a pessoa fica por longos períodos sem ingerir qualquer tipo de comida, podendo ficar até 20 horas sem comer.

Para muita gente, a experiência com o jejum rende resultados positivos. Além da perda de peso – que costuma ser o principal objetivo de quem adota essa prática – outros benefícios relatados são a melhora no sono, na digestão, na capacidade de concentração e na redução da ansiedade.

Mas, como todo o plano alimentar, o jejum intermitente precisa de orientação e acompanhamento profissional. Embora possa sim ser eficiente, não é para todas as pessoas que o jejum é recomendado e funciona.

Se você já cogitou aderir ao jejum intermitente, não deixe de seguir nessa leitura!

O que é jejum intermitente?

É considerado jejum intermitente o ato de não comer durante um período maior de tempo.

Existem diversos protocolos descritos em literatura que orientam sobre diferentes tipos de jejum. Em alguns desses casos – e, talvez, na maioria deles –, as refeições são feitas em um espaço de 8 horas, enquanto 16 horas são de jejum.

Quem pode fazer o jejum intermitente?

Como já foi dito, o jejum não é um programa alimentar recomendado para todas as pessoas. Em geral, é mais indicado para quem já segue uma alimentação equilibrada por um bom período de tempo.

Para fazer efeito e ser prazeroso, o jejum também precisa encaixar na rotina da pessoa. Para considerar essa possibilidade, pense se você tem alguma dessas características.

  • Pessoas que tenham uma rotina intensa, com muitas atividades e pouco tempo de intervalo entre elas
  • Pessoas que tenham preferência por comer refeições maiores
  • Pessoas que tenham preferência por atividades físicas mais curtas

Quem deve evitar o jejum intermitente?

Como todo a filosofia alimentar, o jejum intermitente possui prós e contras que precisam ser levados em consideração.

Nem todo mundo se sente bem com a prática do jejum. É preciso avaliar cada caso individualmente, e isso deve ser feito com orientação médica e nutricional.

Em regras gerais, quem já viveu ou tem tendência a distúrbios alimentares, ou ainda quem está muito abaixo do peso considerado ideal, não devem adotar o jejum na sua rotina. Crianças, idosos, gestantes, diabéticos e anêmicos também devem desconsiderar a possibilidade do jejum intermitente.

 Preste atenção se você se encaixa em um desses perfis:

  • Pessoas que estão abaixo do peso
  • Pessoas com histórico de distúrbios alimentares
  • Pessoas que preferem comer com maior frequência ao longo do dia

Quais os benefícios do jejum intermitente?

Quando bem orientado e com o devido acompanhamento profissional, o jejum pode ter um impacto muito positivo no dia a dia de quem o pratica. Algumas das vantagens do jejum intermitente são:

  • Capacidade de ajudar a reduzir o consumo de calorias ingeridas diariamente
  • Melhora o sistema imunológico
  • Ajuda na reparação das células
  • É favorável para o aumento dos hormônios do crescimento
  • Melhora a sensibilidade à insulina. Os níveis de insulina no sangue diminuem, favorecendo a queima de gordura

Dicas importantes para um jejum de sucesso

Ficar horas sem comer não significa que tudo estará liberado durante a janela alimentar. É preciso muita atenção na hora de escolher os alimentos que vão quebrar o jejum intermitente.

O que não se deve fazer é interromper o jejum com carboidratos pesados. O ideal é optar por refeições balanceadas, que priorizem proteínas e gorduras boas.

Café e chá são altamente recomendados durante o jejum, pois reduzem o apetite e não quebram o jejum. Mas, para isso, não vale usar açúcar ou adoçante na bebida!

Uma ótima opção para não passar aperto durante as horas de jejum é apostar no SuperCoffee. Além daquela sensação de saciedade que a cafeína por si só proporciona, SuperCoffee ainda conta com os benefícios do chá verde, leite de coco em pó, castanha-do-pará, canela, gengibre, pimenta caiena, cúrcuma, cardamomo e noz moscada. Uma verdadeira bomba de energia e imunidade!

Essa fórmula é resultado de muitos anos de testes e pesquisas, que levaram à combinação poderosa desses 10 superalimentos 100% naturais e veganos. Para completar, SuperCoffee tem aroma e sabor irresistíveis, e benefícios que o fazem item indispensável para consumo diário.

Quem toma SuperCoffee rapidamente percebe melhora na qualidade de vida com o aumento da imunidade; mais energia e disposição para dar conta de todas as tarefas do dia; melhor capacidade de foco e concentração no trabalho; mais força para fazer bonito no treino  e ainda mais velocidade no metabolismo, que favorece a perda de gordura corporal.

Neste post tem mais detalhes sobre o SuperCoffee e também orientações sobre o consumo!