Religião e espiritualidade: qual a diferença?

O que você vai saber aqui:

  • Quais são as cinco principais diferenças entre religião e espiritualidade?
  • Qual a relação entre fé e saúde?
  • Cinco dicas para despertar a fé

Independente do caminho, ter fé pode ajudar muito no desempenho físico e mental

A relação entre a fé e a saúde já inspirou o roteiro de muitos filmes, é objeto de estudos e divide opiniões entre pesquisadores e especialistas. Nos momentos mais difíceis da vida, geralmente é na fé que costumamos nos apegar. Há quem diga que o poder de acreditar que, ao final, tudo ficará bem, pode inclusive ajudar na cura de doenças.

Sabe aquele ditado: “a esperança é a última que morre”? Pois é. Por mais complicada que seja a situação a ser enfrentada, o ser humano tem a necessidade de acreditar em algo. A fé certamente deixa o fardo a ser carregado bem mais leve.

Quando olhamos para os nossos antepassados, vemos que o ser humano sempre esteve em busca de algo para crer. Na história há registros do surgimento das mais diversas crenças – uma eterna busca por entender o sentido da vida e explicar a origem do universo e de tudo o que nos cerca.

Assim surgiram as religiões, um conjunto de sistemas que envolve muito mais do que acreditar, e implica também aspectos culturais e comportamentais, de valores e de visão de mundo.

E quando se fala em religião, é inevitável falar de espiritualidade, embora sejam dois conceitos diferentes. É possível dizer que uma pessoa religiosa é um ser espiritualizado; porém, uma pessoa espiritualizada não é necessariamente alguém que segue uma religião.

Se você quiser entender por que, siga no texto abaixo!

Qual a diferença entre religião e espiritualidade?

Na religião, seja ela qual for, existem regras a serem seguidas. Normas que orientam a organização de uma sociedade, desde a maneira como ela se dispõe, até o seu estilo de vida e os detalhes do seu cotidiano. A religião pode influir na maneira de se comportar, de se vestir, de se alimentar, entre outros.

Pessoas religiosas seguem “autoridades externas” que especificam em quais dogmas a vida deve ser embasada, o que interfere diretamente no comportamento individual e coletivo.

É interessante observar que todas as religiões, de alguma forma, despertam a espiritualidade. É muito comum que pessoas vivam uma fase de religiosidade em suas vidas até o desenvolvimento da espiritualidade, que pode ser entendida como uma energia espontânea que já é parte do ser humano.

Já as pessoas espiritualizadas não cultuam “autoridades externas”. Elas seguem a “autoridade interna”, o que alguns chamam de intuição. É um conceito mais amplo relacionado ao autoconhecimento e procura pelo bem-estar interior.

Destacamos as cinco principais diferenças entre religião e espiritualidade*:

Independência

Religião: pessoas seguem dogmas como verdade absoluta

Espiritualidade: pessoas seguem a própria intuição para definir o que é certo e o que é errado

Coragem

Religião: evidencia o que as pessoas devem temer

Espiritualidade: destaca que as pessoas são responsáveis pelos próprios atos

Autonomia

Religião: determina no que as pessoas devem acreditar

Espiritualidade: fala de liberdade para que cada pessoa possa descobrir sua própria verdade

União

Religião: entre todas as religiões que existem, cada uma defende a sua verdade como única

Espiritualidade: não considera uma religião pior nem melhor que a outra, e busca aproveitar o que há de mais positivo em cada uma

Liberdade

Religião: diz que as pessoas devem rezar nos templos

Espiritualidade: diz que a felicidade está dentro de cada um, independente de lugar

* Referência: https://www.eusemfronteiras.com.br/7-diferencas-entre-religiao-e-espiritualidade/

Dicas para despertar a fé

As pessoas devem ser livres a respeito das suas escolhas religiosas. Independente disso, seja no caminho da religião ou da espiritualidade, ter fé pode ajudar bastante no desempenho mental e físico.

A fé também pode ser vista como uma fonte importante de energia e motivação. Existem estudos que relacionam o poder de acreditar com o fortalecimento do sistema imunológico e melhoria da qualidade de vida. Isso quer dizer: mais esperança, menos doenças.

Pensar positivo pode reduzir os índices de doenças e tendência a vícios, sem contar no aumento da sensação de bem-estar e felicidade. Mais do que isso: em um processo terapêutico, desenvolver a fé ajuda na descoberta do seu real propósito de vida.

Confirma estas cinco dicas que podem ajudar a despertar a fé no seu dia a dia:

  • Reservar um momento do dia para si

Aprenda a curtir a própria companhia. Aproveite esse momento para fazer algo que lhe dá prazer.

  • Ajudar ao próximo

A simples atitude de ajudar alguém é muito poderosa para se conectar com a humanidade e o coletivo

  • Praticar a gratidão

Em vez de focar nos problemas, pense nos motivos pelos quais você é grato e surpreenda-se como a lista pode ser maior do que você imaginava

  • Pratique a atenção plena

Estar consciente de si e do ambiente em que vive ajuda muito a manter corpo e mente em harmonia. Se tiver interesse pela meditação, leia mais nesse post.

  • Estude

Aprimorar o conhecimento é sempre positivo, modifica a forma de pensar e agir e ainda aumenta a autoconfiança e a capacidade de se posicionar de forma mais equilibrada nas mais diversas situações.